Alta eficácia dos atuais sistemas de travagem de emergência

jun 2018

Tecnologia automóvel

Para facilitar a implantação rápida de tais sistemas, a Comissão Europeia mandou sistemas automáticos de travagem de emergência para veículos pesados de transporte de mercadorias com uma massa máxima autorizada superior a 3,5 toneladas e para autocarros com dez ou mais lugares, em várias fases. Mesmo que sejam necessárias algumas exceções, devido à utilização, por exemplo, de veículos em todo-o-terreno, o regulamento abrange basicamente todos estes veículos. Os veículos com massa máxima autorizada superior a oito toneladas, matriculados pela primeira vez desde novembro de 2015 na UE, devem estar equipados com um sistema automático de assistência à travagem de emergência. A segunda etapa entrará em vigor a 1 de novembro de 2018. Em seguida, o alargamento para os veículos ocorre a partir de apenas 3,5 toneladas. Neste momento, os requisitos para os sistemas também aumentam novamente para todos os veículos em questão. Então incluem um aviso ao condutor, uma redução de velocidade de 80 km/h para 60 km/h quando se aproximar de um obstáculo parado e um impedimento completo de colisão ao aproximar-se de um veículo a 15 km/h.

Os sistemas da maioria dos fabricantes já excedem estes requisitos (diagrama 30). Entre outros, este é o resultado de um teste de três assistentes de travagem de emergência de veículo pesado de mercadorias, realizado pelo Automóvel Clube Geral da Alemanha (ADAC). Foram analisadas situações quotidianas de condução para determinar quão robusto e plausível é o comportamento de alerta dos sistemas de segurança e com que frequência ocorrem os avisos. O resultado do teste: os avisos só surgem quando é realmente necessário e as situações ameaçam tornar-se incertas. Mostrou também que a assistência automática à travagem de emergência (AEBS) não é percetível durante a condução normal – apenas o regulador de distância em relação aos outros veículos (ACC).

Comparação de sistemas de travagem antigos e novos

Num teste, o departamento de investigação de acidentes da DEKRA e o Crash Test Center compararam o desempenho de travagem de um moderno trator semirreboque e o de um trator semirreboque dos anos 1990. Ambas as combinações de veículos foram carregadas para uma massa total de tração de 38,5 toneladas. O objetivo dos testes era mostrar as diferenças na distância de travagem a partir de uma velocidade de 80 km/h em condições ambientais idênticas. Neste caso, foram selecionados veículos que viajam desta forma para o transporte rodoviário.

O facto de que, por exemplo, diferentes pneus de veículos causam pequenas imprecisões, é óbvio, mas não altera o cerne dos resultados. Os testes mostraram que a desaceleração média do semirreboque moderno, desde a remoção do gás até à paragem, após a travagem total, era de aproximadamente 6 m/s2. A distância de travagem de 80 km/h foi de cerca de 41 metros. O atraso médio do semirreboque de 1997 foi de 4,3 m/s2. A distância de travagem resultante a 57 metros foi 16 metros mais longa. A velocidade remanescente do semirreboque mais antigo foi de 43 km/h no ponto em que o novo ficou imobilizado.

Também é interessante é a comparação da distância de travagem entre um veículo ligeiro de passageiros atual e o semirreboque moderno. Foi apenas um pouco menor num teste de comparação direta com um veículo ligeiro de passageiros. O tempo de resposta do condutor atento é de cerca de um segundo. Durante este período de tempo, um veículo com uma velocidade de condução de 80 km/h cobre uma distância de mais de 22 metros. O cumprimento de uma distância de segurança suficientemente grande (diretriz: meio km/h em metros) é, portanto, também indispensável por trás dos veículos pesados de mercadorias.

Partilhar página