O seu navegador está desatualizado.

O Internet Explorer deixou de ser suportado. Por favor, utilize outro navegador, para uma melhor qualidade do website.

As funções de condução autónoma não devem poder ser utilizadas de forma indevida ou abusiva

fev 2018

notícias e ações

Investigadores de acidentes de todo o mundo são unânimes: as funções de condução autónoma, sejam elas parciais, altamente ou totalmente automatizadas, serão um importante contributo no futuro para o aumento da segurança rodoviária. Neste sentido, o Conselho Alemão de Segurança Rodoviária (DVR) recomenda, entre outros, que na aprovação dos sistemas seja avaliado caso a caso se o aumento em segurança esperado ultrapassa os possíveis riscos. De acordo com Clemens Klinke, membro do Conselho de Administração da DEKRA SE e responsável pela Business Unit Automotive, bem como vice-presidente do DVR, a experiência em campo e as simulações são essenciais para o aperfeiçoamento das funções de condução autónoma. "Devem, portanto, ser abertas novas formas para determinar o aumento da segurança das funções de condução antes de estas serem aprovadas", afirmou Clemens Klinke. Após a aprovação, estas novas tecnologias devem ser igualmente comprovadas com observação em campo.

Para assegurar a utilização segura das funções de condução autónoma, o Conselho Alemão de Segurança Rodoviária recomenda aos fabricantes, organizações de normalização e legisladores a elaboração de termos e definições, princípios de utilização, advertências e recomendações para os utilizadores de funções de condução autónoma. De acordo com as recomendações do DVR, devem ser disponibilizadas medidas técnicas e de comunicação adequadas (interface homem-máquina), para que as funções de condução não possam ser utilizadas de forma indevida ou abusiva. O DVR recomenda ainda a análise individualizada de acidentes e propõe a implementação de atualização de sistemas e a possibilidade de verificação de veículos altamente e completamente automatizados no âmbito das inspeções gerais.

Sistemas de transporte inteligentes e em rede podem também contribuir para o aumento da segurança rodoviária. Isto inclui também aplicações de sistemas de comunicação Car-to-X para veículos, em que a comunicação sem fios com partilha de informações entre utentes da estrada ou entre os utentes da estrada e a infraestrutura é utilizada para implementar novas funcionalidades. Projetos de investigação nacionais e internacionais já desenvolveram diversas aplicações Car-to-X. Dependendo da aplicação, várias situações são contempladas – desde a deteção de situações de perigo imediato até à simples disponibilização de informações –, sendo estas aplicações direcionadas para diferentes tipos de utentes da estrada. Adicionalmente, são utilizados diversos tipos de disponibilização de informação e vários tipos de comunicação, como, por exemplo, através de telemóvel ou de pWLAN, um protocolo de comunicação de dados desenvolvido especialmente para a comunicação entre veículos.

Com base nos resultados de diversos estudos e campos de teste, o DVR recomenda vários critérios para a tecnologia de comunicações aplicada, tais como o fornecimento de dados em tempo real e alcances de, pelo menos, 300 metros. Segundo a avaliação do DVR, as funções de segurança que já comprovaram a sua eficácia e adequação à utilização diária em testes de campo devem ter preferência de implementação – incluindo a luz de travagem eletrónica, o assistente de cruzamentos e o assistente de sinais de trânsito para sinais de STOP.

Partilhar página