Cuidado: aquaplanagem!

out 2018

A 80 km/h, é como fazer esqui aquático!

A experiência demonstra constantemente: bastam poucos milímetros de água para transformar a estrada em escorregas perigosos. Mesmo com pneus modernos, o perigo de aquaplanagem não é completamente eliminado. "Não é possível enganar a física", afirma Christian Koch, especialista em pneus da DEKRA. Assim que a água atinge uma altura de poucos milímetros, a velocidades mais elevadas, existe a possibilidade de formação de uma cunha de água à frente dos pneus dianteiros que torna o veículo impossível de controlar.

"A velocidade a que um pneu escorrega depende, em larga medida, da velocidade de condução, da profundidade do piso dos pneus e da profundidade do lençol de água", esclarece Koch. Para pneus usados com mais do que três milímetros de profundidade do piso, aplica-se esta regra geral: "A partir de 80 km/h, é como fazer esqui aquático". Nas zonas em que o mínimo legal seja de 1,6 milímetros, a aquaplanagem pode igualmente ocorrer entre os 65 e os 70 km/h. Por esta razão, a DEKRA recomenda que, tanto os pneus de inverno como os pneus de verão, não sejam reduzidos ao mínimo legal de 1,6 milímetros, mas que sejam substituídos por um perfil residual de três milímetros. "Deste modo, o condutor dispõe claramente de uma maior reserva de segurança em piso molhado", salienta Koch.

A velocidade excessiva é a principal causa de acidentes por aquaplanagem. Por conseguinte, é aconselhável reduzir a velocidade em faixas de rodagem com lençol de água constante e não ficar à espera que ocorra aquaplanagem. É igualmente importante respeitar os limites de velocidade aplicáveis em condições de piso molhado. Quanto mais elevado for o nível de água na estrada, mas depressa escorregam os pneus. As zonas mais críticas são os sulcos e outras cavidades onde a água se acumula. A aquaplanagem é ainda mais facilitada pela baixa pressão dos pneus, utilização de pneus largos e amortecedores em mau estado.

O que fazer quando isto acontece e o veículo começa a escorregar? "Desacelere com rapidez mas não de forma demasiado abrupta, carregue na embraiagem e mantenha o volante direito", recomenda Koch. Importante: numa situação destas, nunca tente desviar-se, caso contrário, existe o perigo de o veículo guinar quando os pneus voltarem a entrar em contacto com a estrada.

Partilhar página