O seu navegador está desatualizado.

O Internet Explorer deixou de ser suportado. Por favor, utilize outro navegador, para uma melhor qualidade do website.

Eficácia das medidas de segurança nas estradas rurais da Baviera

jun 2017

Infraestructura

Uma infraestrutura rodoviária segura tem de ser garantida tanto ao nível regional como local. Já salientámos várias vezes o excecional papel desempenhado pelas comissões de acidentes neste contexto, não só neste relatório como em relatórios de segurança rodoviária anteriores da DEKRA. Boas experiências com sucessos comprovados foram reportadas, por exemplo, pelo Ministério do Interior da Baviera, num relatório de 2011 sobre a eficácia das medidas de segurança para a eliminação da recorrência de acidentes em estradas rurais.

Desde a sua fundação, em 2000, as 107 comissões de acidentes da Baviera se concentram no objetivo de identificar a recorrência de acidentes nas estradas de trânsito regional (autoestradas, estradas nacionais e uma parte das estradas municipais) e de eliminar tal recorrência através de medidas que visam a melhoria da segurança rodoviária. Segue-se uma análise da eficácia (controlo de sucesso) com vista a introduzir outras melhorias, se necessário. Todas as informações relevantes para o efeito são recolhidas numa base de dados central. Entre elas, contam-se os dados técnicos e geográficos sobre a rede rodoviária e os dados de acidentes recolhidos pelos serviços policiais responsáveis com mapas de tipos de acidente eletrónicos. As comissões de acidentes recolhem outras informações relevantes sobre a recorrência de acidentes e para a documentação de medidas. Para a documentação das medidas de segurança implementadas, da sua eficácia e dos respetivos custos, elaborou-se um compêndio abrangente. A eficácia (benefícios com base na melhoria da ocorrência de acidentes) é ilustrada em três cores (verde: eficácia ideal, amarelo: eficácia limitada, vermelho: eficácia não alcançada). A título de exemplo, o diagrama apresenta a avaliação resumida das medidas implementadas para o combate a acidentes rodoviários em troços mais longos, num total de 86 casos. Por exemplo, em dez casos, foi definida uma limitação da velocidade máxima permitida (dependendo das circunstâncias locais, para 60 km/h, 70 km/h ou 80 km/h) apenas com sinais de trânsito. Se por um lado os custos resultantes foram reduzidos, a verdade é que, por outro lado, a eficácia só foi classificada como ideal em menos de um quarto dos casos. Em 25 casos, a limitação da velocidade foi controlada intensivamente, originando custos anuais médios de aprox. 10 000 euros. Neste caso, foi possível classificar a eficácia como ideal em cerca de um terço dos casos. Já a ampliação ou a nova construção do troço em conformidade com as respetivas diretivas revelou-se como sendo a medida mais eficaz. Em mais de três quartos dos dez casos correspondentes foi possível classificar a respetiva eficácia como ideal. No entanto, com custos médios anuais de 50 000 euros, tal medida é a mais cara.

No total, em 83% das zonas de acidentes recorrentes identificadas, verificaram-se melhorias na ocorrência de acidentes após a introdução de medidas suscetíveis de avaliação. As medidas revelaram-se 80% eficazes e rentáveis. Antes da implementação das comissões de acidentes, verificouse uma redução de 16% nos custos associados a acidentes em estradas regionais e nacionais da Baviera, entre 1991 e 2000. Diretamente após a implementação das comissões de acidentes, esta tendência aumentou significativamente. No período entre 2000 e 2009, registou-se um decréscimo de 37%, o que significa uma redução anual dos custos associados a acidentes mais de duas vezes superior. Nas zonas de acidentes recorrentes identificadas e nas quais se implementaram medidas de combate, os custos associados a acidentes diminuíram cerca de oito vezes mais do que na restante rede de rotas. Desde a implementação das comissões de acidentes em 2000, foi sobretudo nos acidentes graves em estradas regionais da Baviera que se registou uma redução mais significativa. Os benefícios económicos nacionais de todas as medidas adotadas são doze vezes superiores aos respetivos custos.

Partilhar página