Falhas técnicas como causa de acidentes

jun 2018

Acidentes

Diversos estudos internacionais como, por exemplo, o já mencionado estudo ETAC, comprovam que as falhas técnicas em veículos são responsáveis por mais de 5 % dos acidentes com veículos pesados de transporte de mercadorias. Também aqui se assume um número estimado de casos não reportados, uma vez que as falhas técnicas no local são geralmente difíceis ou impossíveis de detetar ou, na maioria dos casos, não são realizadas inspeções técnicas adicionais por perito especializado. No entanto, a taxa reduzida resulta também indubitavelmente do sistema existente de monitorização de veículos com inspeções gerais qualificadas por organizações especializadas como a DEKRA e outros prestadores de serviços.

Tal como acontece com os veículos ligeiros de passageiros, as inspeções gerais realizadas pela DEKRA em 2016 e 2017, os veículos pesados de mercadorias e tratores com mais de 12 toneladas com idade avançada apresentam, na Alemanha, uma taxa crescente de falhas . Enquanto nos veículos até três anos de idade, a quota de veículos com falhas é de cerca de 22 %, nos veículos com mais de sete anos, esta quota é já de 50 % e, nos de doze anos ou mais, mais de 60 %. Os reboques a partir de 12 toneladas estão em melhor situação. No caso destes, 20 % dos veículos com três anos de idade ou menos e 44 % dos automóveis com 12 anos ou mais, apresentam falhas. No que respeita aos módulos de veículos pesados de mercadorias e tratores em que se verificam falhas, os módulos elétricos e de iluminação ocupam distintamente o primeiro lugar. A justificação é o elevado número de sistemas de iluminação incluídos nestes veículos que, consequentemente, causam um elevado número de falhas nesta área. No caso dos reboques, os módulos mais afetados por falhas foram os sistemas de travões e os sistemas de iluminação. Basicamente, as taxas de falhas aumentam em todo os módulos, à medida que a idade vai avançando, tanto nos veículos pesados de mercadorias e tratores como nos reboques.

As carrinhas sofrem uma evolução semelhante, conforme demonstrado pelos dados da DEKRA referentes a 2016 e 2017. Com uma quilometragem de até 50 000 quilómetros, 78,3 % dos veículos inspecionados não apresentavam falhas. Nas quilometragens entre 150 000 e 200 000 quilómetros, esta quota reduziu para 37,6 %. Na classe de quilometragem, o número de falhas significativas aumentou de 10,9 para 39,2 %. As falhas de componentes elétricos e de iluminação constituem a maior parte, seguidas pelos travões e motor/ambiente.

Além dos resultados dos testes da DEKRA; também a análise de veículos pesados de mercadorias acidentados nos proporciona conclusões interessantes sobre as falhas em veículos utilitários pesados. Relativamente ao estado técnico, verificam-se claras diferenças entre veículos pesados de mercadorias novos e antigos. A análise das falhas encontradas em veículos utilitários com mais de 3,5 toneladas realizada pela polícia nos respetivos locais de acidente revela que, na Alemanha, entre 2007 e 2016, cerca de 41 % das falhas relevantes para acidentes se verificavam em veículos com cinco anos de idade ou menos. 59 % das falhas relevantes para o acidente encontravam-se em veículos com mais de cinco anos de idade. A questão é que a polícia é capaz de detetar no local tais falhas visíveis pelo exterior. Uma inspeção mais detalhada numa oficina, realizada por um perito independente revela, em geral, consideravelmente mais defeitos. Assim, entre 2006 e 2017, a polícia considerou, por exemplo, 36,5 % das falhas de pneus como causadoras de acidentes. A análise detalhada dos peritos da DEKRA atribuiu aos travões uma quota de 50 % de todas as falhas causadoras de acidentes. No total, as falhas nos pneus e travões são a causa mais frequente de acidentes em veículos utilitários com mais de 3,5 toneladas. No caso das carrinhas até 3,5 toneladas, o cenário é semelhante. Os valores sublinham a importância da frequência dos trabalhos de manutenção e reparação, bem como o significado de inspeções gerais para a segurança dos veículos.

Partilhar página