Ferramentas eficazes para a prevenção de acidentes rodoviários

jan 2019

notícias e ações

Ko-HAF prototypische Anzeige
Foto: Ko-HAF

Objetivos definidos alcançados: esta é a avaliação geral que podemos fazer do projeto de investigação "Ko-HAF – Kooperatives Hochautomatisiertes Fahren". Ao longo de um período de quase três anos e meio, 16 parceiros das áreas da indústria, da ciência e do setor público – entre os quais a Audi, a BMW, a Bosch, a Agência Federal dos Transportes (BASt), a Continental, a Daimler, a Universidade Técnica de Munique e a Universidade de Wurtzburgo – estudaram questões relacionadas com a tecnologia e as interfaces. O projeto foi financiado pelo Ministério Federal da Economia e da Energia na Alemanha, no âmbito do programa "Novas tecnologias de veículos e de sistemas", com um montante de 16,9 milhões de euros.

Contexto: o Ko-HAF tem como objetivo assegurar uma condução altamente automatizada segura a velocidades mais elevadas. O condutor já não necessita de monitorizar constantemente este tipo de sistemas. Pode dedicar-se a outras tarefas, embora tenha de estar sempre preparado para assumir o controlo quando solicitado, com um determinado tempo de reserva. Para tal, a perspetiva do veículo tem de ir mais longe do que o que é possível com os sensores próprios.

É aí que entra o Ko-HAF: os veículos enviam as informações do seu ambiente envolvente por rede móvel para um chamado Safety Server. Estas informações são aí recolhidas e compactadas, de modo a disponibilizar um mapa atual altamente preciso aos veículos, que proporcione a melhor perspetiva necessária, em termos de um horizonte artificial.

Os resultados do projeto demonstram que, através da comunicação entre os veículos e o Safety Server, é possível uma perceção do meio envolvente significativamente maior. Tal estabelece o alcance de perspetiva necessário para a condução altamente automatizada. Entre outros, foram também desenvolvidas funções de condução altamente automatizada para a condução em autoestrada, como, por exemplo, entrada e saída da autoestrada, ultrapassagem ou paragem de emergência.

Além disso, inúmeras tentativas demonstraram que, durante a condução automatizada, podem ocorrer rapidamente sonolência e cansaço em determinadas circunstâncias e pode estar-se sujeito a alterações variáveis. As tentativas também se focaram em atividades não relacionadas com a condução durante a condução automatizada. Para pedidos planeados de transferência de controlo, foi demonstrado que interfaces homem-máquina de vários níveis aceleram a conclusão das atividades não relacionadas com a condução e, consequentemente, o tempo de transferência.

Photos: Ko-HAF

Partilhar página