Problemas de visibilidade com veículos pesados de mercadorias

jun 2018

Tecnologia automóvel

Uma das tarefas mais incómodas de um condutor de veículos pesados de mercadorias é, em particular, manobrar na direção do lado do passageiro no tráfego da cidade: deve, em simultâneo, prestar atenção ao passar pelos semáforos, à sinalização, ao tráfego em sentido contrário e cruzado, para além de manter sob a sua visão periférica peões e ciclistas. Além disso, a situação do trânsito pode mudar em segundos – e os ciclistas e peões nem sempre estão cientes de que um condutor de veículos pesados de mercadorias pode não ser capaz de os detetar, porque se encontram no ângulo morto do veículo pesado de mercadorias.

Enquanto uma olhadela pela janela do condutor permite visibilidade clara do veículo pesado de mercadorias, a visibilidade sobre o outro ombro só alcança a parede traseira da cabina, no compartimento de carga. De uma visibilidade geral teórica de 360 graus, apenas o compartimento de carga toma aproximadamente um terço. O condutor deve, portanto, posicionar classicamente os retrovisores exteriores para obter informações das áreas não visíveis. Para além dos espelhos, são utilizados atualmente cada vez mais sistemas de monitor de câmara (KMS). No entanto, a questão do posicionamento ideal surge nesse contexto. Deve utilizar-se, por exemplo, um monitor opcional no tablier? Ou é mais sensato posicionar o monitor perto do espelho retrovisor para que o motorista desvie o olhar para o lado, quando necessitar de informações do local? Outras questões dizem respeito ao brilho do monitor e quando deve cada sinal ser apresentado pelo monitor.

Devido a inúmeros acidentes entre veículos pesados de mercadorias em manobra de viragem e ciclistas, atualmente há mais atividade no Reino Unido para melhorar a visibilidade dos veículos pesados de mercadorias. Então pretende-se reduzir o ângulo morto no veículo, por exemplo, devido ao facto de que os cantos inferiores das janelas deslocamse significativamente para baixo. Do ponto de vista dos investigadores de acidentes da DEKRA, entre outros, isto é de louvar. Deve-se notar, no entanto, que esta atividade atualmente equivale a um código de construção, mais especificamente a um “modelo para o canto inferior da janela”. Uma regra eficaz faria, sem dúvida, mais sentido. Antecedentes: um regulamento de construção dificulta soluções inovadoras, porque o design é obrigatório. Uma regra eficaz visa cumprir o efeito – o tipo de medida escolhido não importa. Portanto, em primeiro lugar, deve-se estar ciente do que o condutor deve ser capaz de ver na frente e do lado do seu veículo. Na construção, para conseguir isto, o canto inferior da janela pode ser baixado ou pode ser selecionada outra medida adequada.

Outra contribuição importante para evitar acidentes ao virar para o lado do passageiro pode ser feita por um sistema de assistência em curva com reconhecimento de pessoas, conforme comercializado pela Mercedes-Benz. O seu modo de funcionamento é de vários níveis: por exemplo, quando um ciclista ou peão se encontrar na zona de alerta, os LED de forma triangular brilham a cor amarela na coluna A, do lado do passageiro. Se o sistema detetar risco de colisão, a lâmpada LED com maior luminosidade pisca em cor vermelha, soando um sinal de aviso da direita através de um altifalante, no sistema de rádio. Além disso, ao virar na curva, os sensores do reboque do veículo pesado de mercadorias podem detetar um obstáculo imóvel, como um semáforo ou um poste de luz. Desta forma, as colisões podem ser evitadas não apenas na via pública, mas também em manobras, por exemplo em parques de estacionamento. Esta assistência completa ao condutor é fornecida em toda a faixa de velocidade do veículo pesado de mercadorias desde a paragem, por exemplo, num semáforo, até a velocidade máxima permitida. Um sistema que faz uma contribuição significativa para evitar os acidentes mais graves.

Partilhar página