Stress/sobrecarga/distração

jun 2018

O fator humano

De acordo com o modelo de Matthews, o stress desenvolve- se ao conduzir quando os fatores de stress ambientais como a pouca visibilidade, as más condições das estradas ou as obstruções ao trânsito, bem como a interação com fatores de personalidade. Subjetivamente, o stress é experienciado como, por exemplo, ansiedade, raiva ou fadiga. Num estudo de pesquisa (Evers, 2010) de 555 condutores de veículos pesados de mercadorias foi examinada a influência do stress e do esforço no comportamento no trânsito. A sondagem aos condutores demonstrou que estes trabalham em média 63,2 horas por semana, em que 46,6 horas correspondem a períodos de condução pura. Em 80,1 % dos casos, os condutores trabalham em tráfego de longa distância. Geralmente, cerca de um terço dos condutores não vai a casa durante cerca de uma semana. Como elementos de pressão, os condutores indicam especialmente as condições de trânsito – em particular, o descanso inadequado, o comportamento prejudicial, arriscado ou agressivo de outros utentes da estrada, estradas em más condições, alta densidade de tráfego e congestionamento. Porém, também os problemas de tempo são experienciados como stressantes, tanto em termos da área privada (lazer, família) como na área logística (atraso no carregamento, mau planeamento de viagem).

O facto de as pressões subjetivas percebidas se encontrarem associadas a um certo risco de acidente, parece intuitivamente compreensível. No entanto, isto é difícil de fundamentar com base em estatísticas de acidentes, porque, como regra, a causa de um acidente é o que a polícia determina quando é chamada para um acidente. Por um lado, pode supor- se que certas causas de acidentes não podem ser estatisticamente registadas, porque os acidentes não são comunicados, por exemplo, se ocorrer um dano menor num acidente com um só veículo. Por outro lado, as causas de acidentes associadas ao stress como, por exemplo, distração, inquietação ou cansaço após um acidente, são difíceis de serem determinadas pela polícia. Ao contrário do que acontece com álcool ou drogas no sangue, não há instrumento de medição para aqueles fatores.

Já em 1995, uma sondagem a condutores de veículos pesados de mercadorias acidentados revelou que os indícios de distração, stress ou fadiga têm impacto na causa de acidentes. Dos 55 condutores acidentados, um total de 15 indicaram a “fadiga” como a causa do acidente, seguido por dez que citaram a pressa ou a pressão do tempo como causa. Também a distração por estímulos externos foi nomeada por oito condutores como causa de acidente. Quando questionados sobre a sua própria condição psicofísica imediatamente antes do acidente, 21 dos inquiridos responderam com “irritado”, 17 com “inquieto”, 12 com “cansado” e 10 com “agressivo”. Aqui fica claro que o comportamento dos condutores nos acidentes, bem como o seu estado de espírito num acidente, são muito importantes, mesmo que isso não possa refletir-se nas próprias estatísticas de acidentes. Por exemplo, o Ministério dos Transportes do Reino Unido informou em 2013 que em 2995 acidentes (3 % de todos os acidentes), a distração no veículo representou a causa para o acidente. Estes foram fatais em 84 casos (6 % de todos os acidentes com fatalidades). Em toda a Europa, o número de acidentes por distração varia significativamente. Uma das razões para tal é que não há uma definição comum para o conceito de “distração” ou mesmo de “desatenção”. Segundo Kinnear e Stevens, podem distinguir-se quatro tipos de distração:

  • 1. Distração cognitiva ou mental, que ocorre quando um condutor lida mentalmente com outras atividades que não são necessárias para uma condução segura. Como resultado, são utilizados recursos mentais que seriam realmente necessários para lidar sem problemas com a tarefa de conduzir.
  • 2. Distração visual, que ocorre quando o condutor não olha para a estrada, por exemplo, porque está a desviar o olhar da estrada para olhar para o rádio, telemóvel, publicidade ao ar livre, etc.
  • 3. Fala-se de distração auditiva, quando o condutor dirige a sua atenção para um barulho. Essa forma de distração é frequentemente associada a outras pessoas – como eventualmente tentar acompanhar uma conversa, que então associa aos recursos cognitivos. Por outro lado, os avisos sonoros do veículo também podem dirigir a atenção do condutor para as condições do veículo.
  • 4. A distração manual tem a ver com soltar uma ou ambas as mãos do volante para executar outras atividades como comer, beber ou operar o equipamento.

Naturalmente, as várias distrações não ocorrem necessariamente em separado. Quão a distração afeta a condução segura ou insegura também depende de sua intensidade, da situação de condução (paragem no semáforo vermelho versus tráfego intenso da cidade) e da hora (por exemplo, evento inesperado em simultâneo). Na tabela 27 são exemplificadas algumas atividades auxiliares comuns, em termos do respetivo impacto na natureza da distração e no período de tempo durante o qual o condutor provavelmente seria distraído.

A capacidade multitarefas é um mito

O motivo para o perigo particular da distração ao volante é que o ser humano não consegue fazer várias coisas ao mesmo tempo. Caso tente, as tarefas atrapalham-se umas às outras. Isto ocorre porque, ao executar uma tarefa dupla, o cérebro não se concentra nas duas tarefas ao mesmo tempo, alternando sempre entre os dois requisitos. Isso faz piorar o desempenho em ambas as tarefas porque se luta para distribuir a respetiva atenção. Como a condução é uma tarefa complexa que está associada a diferentes processos cognitivos individuais, ocupar-se de outra atividade enquanto conduz significa que o motorista deixa de ter recursos de atenção suficientes para realizar efetivamente a sua tarefa de conduzir. Isto provoca erros de processamento e leva à perda de controlo associada à tarefa de conduzir, o que, por sua vez, coloca o próprio condutor e todos os restantes utentes da estrada em grande perigo.

Precisamente os motoristas de veículos pesados têm muitas vezes de lidar com a tecnologia automóvel integrada. Passam muito tempo nos seus veículos e encontram-se frequentemente sob pressão de tempo. Num estudo de 2009 (Olson et al.) foi comunicado que, em 56,5 % dos incidentes relevantes para a segurança, os condutores realizavam uma atividade secundária enquanto conduziam. Além disso, a probabilidade de um evento tão crítico para os condutores aumentava 23 vezes para quem escrevia mensagens de texto durante a condução.

Possibilidades de promoção da saúde para motoristas de veículos pesados

As alterações descritas no quadro profissional dos motoristas de veículos pesados resultam num grande número de volume de trabalho físico e mental especial, aumentando assim o risco de problemas de saúde e doenças. O perfil de exigências e as condições associadas ao local de trabalho são muito diferentes e dependem, especialmente, das mercadorias transportadas, do percurso da rota de transporte e da organização da tarefa de trabalho. Os principais fatores de stress que afetam um grande número de locais de trabalho de motoristas de veículos pesados são aqui novamente mencionados: períodos/turnos de trabalho prejudiciais, longos períodos de condução, pressão de tempo, esforços físicos ambientais como ruído, gases de exaustão e condições de iluminação, monotonia e isolamento social no local de trabalho, ausência frequente do lar, elevada exigência dos sistemas de assistência apoiados pela EDV, longos períodos sentados e falta de atividade física, vibração de corpo inteiro, manuseamento de cargas e trabalho com substâncias perigosas. As consequências destas cargas especiais de trabalho podem ser distúrbios do sono, fadiga aguda e crónica e, consequentemente, um aumento do risco de acidentes.

Os motoristas de veículos pesados muitas vezes têm um estilo de vida de risco, em termos de dieta e de consumo de tabaco. Uma consequência da postura de trabalho estática no volante e do alto esforço físico são os sintomas de todo o sistema musculoesquelético, especialmente das costas. Os motoristas de veículos pesados apresentam um risco significativamente elevado de doença de disco da coluna lombar, doenças cardiovasculares, excesso de peso, úlceras gástricas e carcinomas brônquicos.

Fica claro nesta lista que a introdução da gestão da saúde ocupacional para motoristas de veículos pesados é muito importante para manter a eficiência, o bem-estar e, por último, evitar os riscos de acidentes. No entanto, a mobilidade inerente à profissão e a permanência predominante fora do local da empresa representam um grande desafio para a implementação de medidas clássicas de promoção da saúde ocupacional.

Em particular, o setor de transporte e de expedição de carga apresenta uma elevada proporção de pequenas e microempresas, que geralmente são difíceis de alcançar para a promoção da saúde no local de trabalho. Aqui, a promoção do requisito de saúde no local de trabalho muitas vezes desempenha apenas um papel subordinado em relação à saúde e segurança ocupacional. Os empregadores podem, no entanto, ser apoiados e motivados para se tornarem ativos no campo da promoção da saúde, através da formação intensiva e do trabalho em rede de instituições com serviços de prevenção. Outra opção é iniciar redes de qualidade e saúde específicas interempresariais, específicas para o setor.

Os conceitos existentes para trabalhadores móveis também podem ser transferidos para os motoristas de veículos pesados. Os exemplos incluem o conceito de um controlador de saúde da empresa, que também se encontre acessível remotamente para os condutores, uma utilização direcionada de aplicações de saúde móveis, contratos com ginásios “na estrada”, “ginásio nos veículos pesados de mercadorias” ou apoio para uma dieta saudável em viagem (“almoço embalado”). As medidas de promoção da saúde devem ser sempre derivadas da carga identificada. Por exemplo, numa pesquisa da Michaelis, foi solicitada aos alunos a mediação de estratégias gerais para evitar o cansaço ao volante e tópicos associados com alimentação saudável e para evitar o consumo de tabaco.

Devido à carga física e psicológica específica dos motoristas de veículos pesados, existe uma clara necessidade de ação no campo da promoção da saúde no local de trabalho, para este grupo profissional. O acesso aos condutores profissionais necessita de ser mais criativo, em comparação com o dos funcionários que não se deslocam. Fundamentalmente, o tempo necessário para as medidas deve, pelo menos, ser calculado proporcionalmente às horas de trabalho. O mais provável é que se trate possivelmente de ofertas de baixo limiar com formalidades, requisitos de entrada e conhecimento prévio menores, por exemplo em áreas de descanso e parques de estacionamento.

Partilhar página